Encanto Verde

homem-correndo-720x265

ATIVIDADES FÍSICAS AJUDAM NA RECUPERAÇÃO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA

Prática de esportes melhora o condicionamento físico e a autoestima do dependente químico.

 

O uso de drogas de forma constante e sem controle pode se tornar um caso de dependência química. Nessas situações, é preciso buscar ajuda profissional o mais rápido possível.

A prática de atividades físicas é uma ótima maneira de complementar e potencializar o tratamento do dependente químico. Veja como funciona o processo de desintoxicação e entenda os benefícios que o esporte traz para quem precisa enfrentar esse desafio.

Recuperação do dependente químico

A prática de exercícios ajuda no tratamento do dependente químico por vários fatores. Além de melhorar o condicionamento físico e aumentar a autoestima, as atividades também fazem o corpo liberar endorfina, diminuindo assim a ansiedade e a irritabilidade, que são sensações frequentes na luta para se livrar do vício.

Qualquer tipo de atividade física alivia o estresse, diminui a ansiedade e proporciona sensação de bem-estar. Os exercícios aeróbicos ao ar livre são os mais indicados para o dependente químico em recuperação, pois o contato com a natureza ajuda no processo.

Uma das melhores opções de exercício são os exercícios coletivos, como o futebol e a corrida. A prática é utilizada até mesmo em projetos, como instrumento para auxiliar no tratamento contra a dependência química. Uma corrida de 30 minutos, por exemplo, melhora o humor, o entusiasmo, a energia e o engajamento nas atividades cotidianas.

A natação, a dança, as lutas e outras modalidades também são alternativas positivas.

 

Identifique um dependente químico 

A dependência química é considerada uma doença, em que o paciente sofre de um transtorno mental e perde o controle do uso da substância. O dependente químico tem sua vida psíquica, emocional e física gravemente prejudicadas. Por isso, no caso de obsessão por qualquer tipo de droga, as pessoas precisa de tratamento e de ajuda competente e adequada.

Uma pesquisa feita entre os anos de 2012 e 2013, pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), divulgou dados sobre o uso de maconha, cocaína e seus derivados e também bebidas alcoólicas no Brasil. Com os resultados, os pesquisadores estimam que 5,7% dos brasileiros sejam dependentes, o que representa mais de 8 milhões de pessoas.

Também com os dados do estudo, foi possível apontar que a maioria dos pacientes em tratamento para dependência química é homem, com idade entre 12 e 82 anos. Desses, cerca de 26% têm Ensino Superior incompleto ou completo. A média de idade dos usuários de drogas no país é de 31,8 anos.

Geralmente, a família e outras pessoas que convivem com o dependente químico percebem mudanças no comportamento do paciente. Além disso, o uso de drogas também causa alterações no metabolismo orgânico: manifesta quadros de ansiedade, irritação, incapacidade de dormir normalmente, isolamento e consumo constante e sem controle.